Debaixo de vara: a condução coercitiva como cautelar pessoal autônoma


images-3

Juiz de paz francês e sua vara. Aquarela de Jean Mérimée. Acervo do Metropolitan Museum of Art     (ca. 1798-1799).

Nas Ordenações Filipinas, os oficiais de justiça podiam conduzir testemunhas e réus recalcitrantes “debaixo de vara”, isto é, à força. No antigo direito português, a vara era a insígnia dos juízes ordinários e dos juízes de fora. Era o símbolo de sua autoridade:

“E os juízes ordinários trarão varas vermelhas e os juízes de fora brancas continuadamente, quando pella Villa andarem, sob pena de quinhentos réis, por cada vez, que sem ella forem achados” (Ordenações Filipinas, Liv. 1, Título LXV).

O art. 95 do Código de Processo Criminal do Império, de 1832, dizia:

Art. 95. As testemunhas, que não comparecerem sem motivo justificado, tendo sido citadas, serão conduzidas debaixo de vara, e soffrerão a pena de desobediencia.

No século XX, a palavra “vara” desapareceu do texto legal como ferramenta relacionada à condução dos desobedientes à presença dos magistrados e o termo passou a designar o local do exercício da função judicante, sinônimo de juízo ou tribunal de primeira instância. Porém, o instituto da “condução sob vara” permaneceu no CPP de 1941, com a finalidade original, mas outra formulação. De fato, de acordo com o art. 218 do CPP:

Art. 218.  Se, regularmente intimada, a testemunha deixar de comparecer sem motivo justificado, o juiz poderá requisitar à autoridade policial a sua apresentação ou determinar seja conduzida por oficial de justiça, que poderá solicitar o auxílio da força pública.

No procedimento do júri, a regra aparece no §7o do art. 411 do CPP: “Nenhum ato será adiado, salvo quando imprescindível à prova faltante, determinando o juiz a condução coercitiva de quem deva comparecer”.

O instituto evoluiu e passou a ser estendido a todo e qualquer depoente recalcitrante que, intimado ou notificado, não comparecesse a um ato judicial ou a uma audiência designada pelo Ministério Público, nos feitos de sua atribuição. De fato, o art. 8º, inciso I, da Lei Orgânica do Ministério Público da União (Lei Complementar 75/1993) – aplicável, por extensão do art. 80 da Lei 8.625/1993, ao Ministério Público dos Estados — permite a promotores e procuradores “notificar testemunhas e requisitar sua condução coercitiva, no caso de ausência de injustificada”. 

Esta é a primeira espécie – e mais tradicional – de condução coercitiva, ou debaixo de vara, cabível sempre que vítimas, peritos, testemunhas ou declarantes, regularmente intimados (ou notificados), não comparecem ao ato (em geral, uma audiência) nem justificam sua ausência.

No tocante ao suspeito ou réu, o tema é objeto do artigo 260 do CPP, exigindo intimação prévia:

Art. 260.  Se o acusado não atender à intimação para o interrogatório, reconhecimento ou qualquer outro ato que, sem ele, não possa ser realizado, a autoridade poderá mandar conduzi-lo à sua presença.

A segunda espécie de condução coercitiva é mais moderna e deriva do poder geral de cautela dos magistrados, sendo uma cautelar pessoal substitutiva das prisões processuais. Esta providência não se acha inscrita no rol exemplificativo do art. 319 do CPP.

A condução coercitiva autônoma — que não depende de prévia intimação da pessoa conduzida — pode ser decretada pelo juiz criminal competente, quando não cabível a prisão preventiva (arts. 312 e 313 do CPP), ou quando desnecessária ou excessiva a prisão temporária, sempre que for indispensável reter por algumas horas o suspeito, a vítima ou uma testemunha, para obter elementos probatórios fundamentais para a elucidação da autoria e/ou da materialidade do fato tido como ilícito.

Assim, quando inadequadas ou desproporcionais a prisão preventiva ou a temporária, nada obsta que a autoridade judiciária mande expedir mandados de condução coercitiva, que devem ser cumpridos por agentes policiais sem qualquer exposição pública do conduzido, para que prestem declarações à Polícia ou ao Ministério Público, imediatamente após a condução do declarante ao local da depoimento. Tal medida deve ser executada no mesmo dia da deflagração de operações policiais complexas, as chamadas megaoperações.

Em regra, para viabilizar a condução coercitiva será necessário demonstrar que estão presentes os requisitos para a decretação da prisão temporária, mas sem a limitação do rol fechado (numerus clausus) do art. 1º da Lei 7.960/89. A medida de condução debaixo de vara justifica-se em virtude da necessidade de acautelar a coleta probatória durante a deflagração de uma determinada operação policial ou permitir a conclusão de uma certa investigação criminal urgente.

Diante das circunstâncias do caso concreto, a prisão temporária pode ser substituída por outra medida menos gravosa, a partir do poder geral de cautela do Poder Judiciário, previsto no art. 798 do CPC e aplicável ao processo penal com base no art. 3º do CPP. Tal medida cautelar extranumerária ao rol do art. 319 do CPP reduz a coerção do Estado sobre o indivíduo, limitando-a ao tempo estritamente necessário para a preservação probatória, durante a fase executiva da persecução policial.

De fato, a condução coercitiva dos suspeitos sempre será mais branda que a prisão temporária; a medida restringe de modo mais suave a liberdade pessoal, somente enquanto as providências urgentes de produção de provas (cumprimento de mandados de buscas, por exemplo) estiverem em curso.

Se o legislador permite a prisão temporária por (até) 5 dias, prorrogáveis por mais 5 dias nos crimes comuns, a condução coercitiva resolve-se em um dia ou menos que isto, em algumas horas, mediante a retenção do suspeito e sua apresentação à autoridade policial para interrogatório sob custódia, enquanto as buscas têm lugar. Ou seja, a condução sob vara deve durar apenas o tempo necessário à instrução preliminar de urgência, não devendo persistir por prazo igual superior a 24 horas, caso em que se trasveste em temporária. 

Sendo menos prolongada que as prisões cautelares, a condução coercitiva guarda ainda as mesmas vantagens que a custódia temporária, pois permite que a Polícia interrogue todos os envolvidos no mesmo momento, visando a evitar, pela surpresa, as versões “combinadas” ou que um suspeito oriente as declarações de uma testemunha ou a pressione, na fase da apuração preliminar, ou que documentos ou ativos sejam suprimidos, destruídos ou desviados.

Como vimos, o Ministério Público pode requisitar a condução coercitiva de vítimas e testemunhas (mas não suspeitos ou investigados), sem intervenção judicial, à luz do art. 8º, inciso I, da Lei Complementar 75/93 e do artigo 26, inciso I, alínea ‘a’, da Lei 8.625/93. Porém, a cautelar pessoal autônoma objeto deste post só pode ser determinada pela autoridade judiciária competente, tendo em vista que recai primordialmente sobre o suspeito ou investigado e interfere, ainda que em menor extensão, sobre o seu jus libertatis. Ademais, para alguns, incorporar-se-ia ao direito ao silêncio o direito de não comparecer em juízo (e também portanto à delegacia), entendimento cuja possibilidade advém dos arts.185. 327 e 457 do CPP:

Art. 185. O acusado que comparecer perante a autoridade judiciária, no curso do processo penal, será qualificado e interrogado na presença de seu defensor, constituído ou nomeado.

Art. 327.  A fiança tomada por termo obrigará o afiançado a comparecer perante a autoridade, todas as vezes que for intimado para atos do inquérito e da instrução criminal e para o julgamento. Quando o réu não comparecer, a fiança será havida como quebrada.

Art. 457.  O julgamento não será adiado pelo não comparecimento do acusado solto, do assistente  ou do advogado do querelante, que tiver sido regularmente intimado.

Sobre a condução coercitiva do suspeito ou investigado, o Supremo Tribunal Federal assim decidiu no HC 107644/SP, relatado pelo Min. Ricardo Lewandowski:

HABEAS CORPUS. CONSTITUCIONAL E PROCESSUAL PENAL. CONDUÇÃO DO INVESTIGADO À AUTORIDADE POLICIAL PARA ESCLARECIMENTOS. POSSIBILIDADE. INTELIGÊNCIA DO ART. 144, § 4º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DO ART. 6º DO CPP. DESNECESSIDADE DE MANDADO DE PRISÃO OU DE ESTADO DE FLAGRÂNCIA. DESNECESSIDADE DE INVOCAÇÃO DA TEORIA OU DOUTRINA DOS PODERES IMPLÍCITOS. PRISÃO CAUTELAR DECRETADA POR DECISÃO JUDICIAL, APÓS A CONFISSÃO INFORMAL E O INTERROGATÓRIO DO INDICIADO. LEGITIMIDADE. OBSERVÂNCIA DA CLÁUSULA CONSTITUCIONAL DA RESERVA DE JURISDIÇÃO. USO DE ALGEMAS DEVIDAMENTE JUSTIFICADO. CONDENAÇÃO BASEADA EM PROVAS IDÔNEAS E SUFICIENTES. NULIDADE PROCESSUAIS NÃO VERIFICADAS. LEGITIMIDADE DOS FUNDAMENTOS DA PRISÃO PREVENTIVA. GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA E CONVENIÊNCIA DA INSTRUÇÃO CRIMINAL. ORDEM DENEGADA. I – A própria Constituição Federal assegura, em seu art. 144, § 4º, às polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de carreira, as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais. II – O art. 6º do Código de Processo Penal, por sua vez, estabelece as providências que devem ser tomadas pela autoridade policial quando tiver conhecimento da ocorrência de um delito, todas dispostas nos incisos II a VI. III – Legitimidade dos agentes policiais, sob o comando da autoridade policial competente (art. 4º do CPP), para tomar todas as providências necessárias à elucidação de um delito, incluindo-se aí a condução de pessoas para prestar esclarecimentos, resguardadas as garantias legais e constitucionais dos conduzidos. IV – Desnecessidade de invocação da chamada teoria ou doutrina dos poderes implícitos, construída pela Suprema Corte norte-americana e e incorporada ao nosso ordenamento jurídico, uma vez que há previsão expressa, na Constituição e no Código de Processo Penal, que dá poderes à polícia civil para investigar a prática de eventuais infrações penais, bem como para exercer as funções de polícia judiciária. V – A custódia do paciente ocorreu por decisão judicial fundamentada, depois de ele confessar o crime e de ser interrogado pela autoridade policial, não havendo, assim, qualquer ofensa à clausula constitucional da reserva de jurisdição que deve estar presente nas hipóteses dos incisos LXI e LXII do art. 5º da Constituição Federal. VI – O uso de algemas foi devidamente justificado pelas circunstâncias que envolveram o caso, diante da possibilidade de o paciente atentar contra a própria integridade física ou de terceiros. […]. (STF, HC 107644/SP, relator  min. Ricardo Lewandowski, Primeira Turma, julgado em 06/09/2011, publicado em 18-10-2011).

Observe-se que o STF admite a condução do suspeito à Delegacia de Polícia mesmo sem mandado judicial, pois tal providência se insere nos poderes de investigação da autoridade policial (poderes implícitos). Em seu voto, o ministro Dias Tóffoli acompanhou o relator Lewandowski e assentou que, no caso concreto, a condução do suspeito “deu-se de forma válida e legal, inserindo-se dentro das atribuições constitucionalmente estabelecidas à polícia judiciária (CF, art. 144, §4; CPP, art. 6, incisos II a VI)“. Fica claro, portanto, que, para a maioria dos integrantes da 1ª Turma do STF, a condução debaixo de vara não se confunde com qualquer forma de prisão cautelar, no sentido de recolhimento celular. Se fosse similar, seria necessária prévia ordem judicial, nos termos do art. 5º, LIV, da CF. Assim, esta modalidade de condução coercitiva, no entendimento majoritário daquela turma da Suprema Corte, é mera consequência do poder-dever policial de determinar o comparecimento de pessoas à delegacia para a tomada de depoimentos. Pode ser entendida também como diligência inerente ao poder-dever de prover segurança pública, semelhante ao que se dá com a retenção de pessoas para a verificação de identidade de cidadãos em bloqueios policiais ou em postos de fronteira, portos e aeroportos.

 É certo que, durante a condução coercitiva, o investigado poderá ser algemado, se necessário, respeitada a Súmula Vinculante 11, mas não deverá ser recolhido a cela alguma, enquanto permanecer sob custódia precária da autoridade policial, para mera averiguação de sua identidade ou de certas circunstâncias do crime ou para investigação sumariíssima derredor do fato. Se a pessoa sob investigação pode ficar presa por (até) 5 dias, nada obsta que sua custódia, sem recolhimento celular, se dê por apenas algumas horas, tempo necessário para localizar a vítima ou seu cadáver, apreender objetos e documentos, congelar ativos, ouvir cúmplices ou testemunhas do fato, realizar o reconhecimento pessoal do suspeito, coletar material biológico para exames ou proceder à identificação criminal do investigado, esta nos termos da Lei 12.037/2009.

Para sua efetivação, a condução coercitiva deve ser necessária para a conclusão das investigações, devendo a Polícia observar as garantias constitucionais do custodiado, como o direito ao silêncio, o direito à assistência de  advogado, o direito à integridade física e o direito à imagem, impedindo-se inclusive a exposição pública do suspeito, salvo por relevante interesse público.

Em suma, nada impede que a Polícia, diante das circunstâncias do caso concreto, que exijam esforço concentrado para concluir diligências investigativas com celeridade, promova a condução coercitiva de investigados, com o aval do Poder Judiciário, mediante prévio requerimento do Ministério Público, na condição de dominus litis e ombudsman geral. Neste cenário, a condução coercitiva, como medida (cautelar) autônoma é muito menos prejudicial ao status libertatis do suspeito ainda presumivelmente inocente do que a prisão temporária e a prisão preventiva, podendo ser tão eficiente quanto a primeira.



Categorias:Direito Processual Penal, Polícia Civil, Polícia Federal, Polícia Militar, Segurança Pública

Tags:, , , , , , , ,

19 respostas

  1. Com todo respeito, mas a decisão do STF não pode servir de parâmetro, pq se deu em situações distintas. Lá o delegado verifica os requisitos da temporária, mas sabendo q haverá demora na expedição do mandado, conduz coercitivamente o suspeito ao mesmo tempo q requer a referida prisão cautelar. Aqui a ordem sai direto do magistrado e apenas para o depoimento. Sei q se pode o mais, pode o menos, mas são situações diversas e não de gradação. E mais, defender o Poder Geral de Cautela do processo civil no processo penal com a consequente restrição de direito fundamental é resquício do autoritarismo de nosso código baseado no de Mussolini q não encontra guarida em nossa Constituição, tendo em vista ainda o princípio da legalidade estrita! De qualquer forma é de muita valia conhecer os argumentos dessa corrente, pq a depender do concurso, saberei quais são os argumentos para defender a referida medida! Agradeço os esclarecimentos!

  2. Parabéns pela exposição, colega!
    Os comentários sobre a “condução coercitiva” tem sido feitos sem a visão de que se trata de um instituto completamente diferente da medida prevista no CPP para a desobediência à ordem prévia para comparecimento junto à autoridade.
    Como explicado, é uma nova espécie de cautelar probatória, destinada a viabilizar a coleta de prova oral em condições de restrição momentânea da liberdade de locomoção do depoente, que seria aplicável indistintamente às testemunhas, vítimas e até mesmo aos investigados/réus.
    O tema é tenso e complexo, mas minha primeira impressão é de que não está ao alcance da jurisprudência a criação de uma nova espécia cautelar que afeta a liberdade individual dos cidadãos. Acredito ser válida e muito importante a discussão sobre a necessidade de dotar os órgãos investigatórios deste instrumento, mas as diversas questões que a aplicação da medida suscita (requisitos, forma de coleta do depoimento, garantias, etc..) demandam seu disciplinamento em LEI.
    Como sugestão, acredito que seria interessante dar uma denominação jurídica própria ao instituto, para evitar a confusão com a simples condução por recalcitrância e facilitar a compreensão do tema pela comunidade jurídica. Pensei em “depoimento sob condução”.
    No mais, gostaria que o colega se detivesse um pouco mais em explicar como a medida se compatibiliza com o direito do investigado/acusado ao silêncio.

    • Obrigado, Linhares. Vou tentar achar tempo para comentar suas boas ponderações e outros aspectos polêmicos desse instrumento.

  3. Professor, como fica a questão da utilização, com base no art. 3.º do CPP, do Poder Geral de Cautela lá do Processo Civil, após a vigência do Novo CPC? Isso porque o novo diploma processual, em seu art. 15, apesar de mencionar os processos eleitorais e trabalhistas, se omite quanto ao processo penal.

    Desde já, obrigado.

  4. Mestre-Para mim medida coercitiva autônoma- faz com que o juiz esteja legislando e aplicando a lei ao mesmo tempo.

  5. Professor, peço licença para copiar um trecho do texto e colocá-lo aqui como reflexão…. “Assim, quando inadequadas ou desproporcionais a prisão preventiva ou a temporária, nada obsta que a autoridade judiciária mande expedir mandados de condução coercitiva, que devem ser cumpridos por agentes policiais sem qualquer exposição pública do conduzido, para que prestem declarações à Polícia ou ao Ministério Público, imediatamente após a condução do declarante ao local da depoimento. Tal medida deve ser executada no mesmo dia da deflagração de operações policiais complexas, as chamadas megaoperações.”

    Será que não teve exposição ao público? 300 homens, holofotes e purpurina… mas como os tribunais superiores gostam de relativizar, vão dizer que Lula é um homem público e sua intimidade não deve ser protegida…

    Todos devem ser investigados, mas que os investigadores obedeçam as regras.

    • Nâo houve, não. A não ser que alguém tenha aí o vídeo do Lula sendo conduzido. Não teve, porque a PF chegou lá muito antes da polícia. Quando a imprensa soube, foi até o edifício e divulgou o caso, aí sim o fuzuê começou.

  6. O delegado pode mandar fazer condução coercitiva.

  7. Prezado Professor Vladimir Aras,

    Agradeço pelos esclarecimentos sobre o vago tema da condução coercitiva. Contudo, desejo aprofundar-me no assunto visando a elaboração da minha monografia. Seria possível a indicação pelo ilustre Professor de alguma obra ou mais algum artigo sobre o tema? Desde já, minha sincera gratidão.

    • Infelizmente, não tenho outras referências. Talvez o livro de Andrey Borges de Mendonca sobre medidas cautelares seja útil.

  8. Professor,
    não seriam 3 as hipóteses?

    1 – condução coercitiva de ofendido e testemunhas – sem reserva de jurisdição (LC 75/93);
    2 – condução coercitiva do investigado (para sua simples oitiva) – sem reserva de jurisdição (precedente do STF); e
    3 – condução coercitiva em cumprimento a mandado judicial expedido com lastro no “poder geral de cautela” (somente enquanto as providências urgentes de produção de provas estiverem em curso).

    Parabéns pelo artigo e pelo blog!

  9. Olá Professor,
    Parabéns pelo blog!
    Só para ficar claro: é possível a autoridade policial proceder à condução coercitiva, sem ordem judicial com supedâneo no precedente citado no texto?

Trackbacks

  1. Debaixo de vara: a condução coercitiva como cautelar pessoal autônoma | SELETA online
  2. Condução coercitiva de Lula: polêmica até entre procuradores | Marcelo Auler
  3. Limites aos poderes do juiz: o caso da condução coercitiva de Lula
  4. Exame de OAB 2016....Entenda porque a condução coercitiva é legítimo​ ​mecanismo da persecução penal - Blog Projeto Exame de Ordem

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: