A condenação de Habré


Condenação histórica nesta segunda-feira, 30/5, em Dakar.
Assassino cruel, Hissène Habré, ex-ditador do Chade, foi sentenciado a prisão perpétua por crimes contra a humanidade, estupros e tortura cometidos entre 1982 e 1990. Cerca de 40 mil pessoas teriam sido assassinadas por seu regime. A sentença das “Chambres africaines extraordinaires” (CAE) atendeu pedido da Promotoria (Procureur Général des Chambres Africaines).

As CAE foram instituídas pela União Africana em 2006 – Decisão 127 (VII) –, que determinou ao Senegal que exercesse sua jurisdição extraterritorial para julgar os delitos cometidos por Habré enquanto governava o Chade. O tribunal, formado por dois juízes senegaleses e um de Burkina Faso, foi instalado em 2013 e aplicou a legislação penal senegalesa. A pena deve ser cumprida em Dakar.
O tribunal é formado por quatro turmas ou “Chambres”, de diferentes competências em primeira e segunda instância:

  • Chambre africaine extraordinaire d’instruction
  • Chambre africaine extraordinaire d’accusation
  • Chambre africaine extraordinaire d’assises
  • Chambre africaine d’assises d’appel

A Corte Internacional de Justiça (CIJ), na Haia – não confundir com o Tribunal Penal Internacional (TPI) criado pelo Estatuto de Roma de 1998 – desempenhou importante papel para esse resultado memorável. No caso Bélgica v. Senegal, julgado em 2012, a Corte da Haia determinou que, com base na Convenção das Nações Unidas contra a Tortura e Outros Tratamentos e Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes (CAT), de 1984, a República do Senegal tinha obrigação internacional de extraditar Habré para a Bélgica ou de processá-lo em sua jurisdição, conforme a cláusula “extraditare vel iudicare“.
Nessa decisão, que é um marco para a justiça penal em todo o mundo (Questions Concerning the Obligation to Prosecute or Extradite), a CIJ reafirmou a existência do dever internacional de persecução criminal para a punição de infrações penais graves, notadamente delitos previstos em convenções internacionais. 

O Brasil também é parte da CAT, promulgada pelo Decreto 40/1991.



Categorias:Direito Internacional, Direito Processual Penal, Direitos Humanos

Tags:, , , , ,

2 respostas

  1. Professor, esse princípio “extraditare vel iudicare” guarda sinonímia com o “aut dedere aut judicare”, ou há diferença entre eles?

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: