Caso Veron: preparando a acusação


Chico Bento / Maurício de Souza (c)

Deixei de atualizar o blog estes dias porque estou estudando para um júri federal complicado e trabalhoso. O processo tem 16 volumes e trata dos ataques aos ocupantes da Terra Indígena Takuara, ocorrido em 12 e 13 de janeiro de 2003, no município de Juti, na região de Dourados/MS. Na ocasião, funcionários da Fazenda Brasília do Sul teriam assassinado o cacique Marcos Veron, então com 70 anos. Veron era um dos líderes dos Guarani-Kaiowá e os atos praticados contra ele e outros indígenas tiveram repercussão no Brasil e no exterior, com posicionamentos do Conselho Indigenista Missionário, da Anistia Internacional e da Survival International.

O caso foi desaforado do Mato Grosso do Sul para São Paulo, a pedido do MPF, por dúvida quanto à imparcialidade dos jurados locais. Saiba mais sobre as razões do desaforamento do júri nesta matéria do Ultima Instância. Este foi o terceiro caso de desaforamento interestadual do Brasil. Os dois primeiros ocorreram no julgamento do ex-deputado federal Hildebrando Pascoal, aquele da motosserra. Dois de seus júris federais foram transferidos de Rio Branco/AC para Brasília.

No caso Veron, três réus serão submetidos a júri popular. O quarto acusado está foragido, e o processo em relação a ele foi desmembrado e suspenso (art. 366 do CPP). Os denunciados ficaram presos preventivamente por quase 4 anos e 6 meses, tendo sido soltos por meio do HC 91.121-8/MS concedido pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal. Foi relator o ministro Gilmar Mendes, que reconheceu o excesso prazal.

O  julgamento terá início no dia 12/abr, às 11 horas, no Fórum Criminal da Justiça Federal na capital paulista. O colega Marco Antônio Delfino de Almeida e eu fomos designados pelo Procurador-Geral da República para representar o MPF na sessão do tribunal do júri (Portaria PGR n. 74, de 2 de março de 2010). A Funai foi admitida como assistente de acusação (art. 268 do CPP) e funcionará o procurador federal Derly Fiuza. Ao longo do julgamento contarei mais detalhes. Por enquanto, leia esta notícia publicada no site da Procuradoria da República de São Paulo, e esta outra no site da Justiça Federal.

Além do homicídio duplamente qualificado pelo motivo torpe e meio cruel (o cacique foi morto a golpes na cabeça) (art. 121, §2º, incisos I e III, CP), o MPF e a Funai sustentarão a ocorrência de um crime de tortura (art. 1º, II, e §4º, III, da Lei 9.455/97), seis tentativas qualificadas de homicídio (art. 121, §2º, I, c/c o art. 14, II, do CP), seis crimes de sequestro (art. 148 do CP), fraude processual (art. 347 do CP), e formação de quadrilha (art. 288 do CP).

Em 11 de fevereiro de 2010, o MPF manifestou-se favoravelmente ao reconhecimento da prescrição da pretensão punitiva em relação a onze acusações de lesão corporal leve (art. 129 do CP), cinco imputações do crime de constragimento ilegal (art. 146 do CP), uma acusação baseada no art. 10 da Lei 9.437/97 (vigente à época do fato), e outra fundada no art. 28 da Lei das Contravenções Penais.

O processo teve curso na Justiça Federal de Dourados/MS, tendo sido conduzido desde o início pelo procurador da República Charles Stevan da Mota Pessoa, hoje no Rio de Janeiro, com o auxílio do procurador Ramiro Rockenbach da Silva, lotado no Mato Grosso do Sul.

A competência federal se firmou com base no art. 109, inciso XI, da Constituição (“disputa sobre direitos indígenas“), combinado com o art. 231 da Constituição (“São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens“).

Vários magistrados conduziram a instrução criminal, entre eles o juiz federal Odilon de Oliveira, que pronunciou os réus. Presidirá o tribunal do júri a juíza federal Paula Mantovani Avelino, da 1ª Vara Federal Criminal de São Paulo.

A investigação policial foi realizada pelo DPF João Carlos Girotto, que foi arrolado como testemunha do MPF para o plenário. Outras onze pessoas serão ouvidas como testemunhas da acusação. Oito cidadãos prestarão depoimento como testemunhas da defesa.

A defesa terá em plenário o advogado sul-matrogrossense Josephino Ujacow, que atua no caso desde a fase do inquérito. Ao longo do processo, outros defensores representaram os réus, entre eles o escritório paulistano de Sérgio Salgado Ivahy Badaró e Gustavo Henrique Righi Ivahy Badaró. Em 2005, até a professora Ada Pellegrini Grinover foi contratada pela defesa para dar um parecer sobre a ação penal. Com todo o respeito a esta jurista de nomeada, não dá para concordar com uma linha do que ela escreveu.

About these ads


Categorias:Direito Processual Penal, Direitos Humanos

Tags:, , , , , ,

1 resposta

  1. Bom dia! Quem puder mim orientar por favor.
    Quando o juiz do caso nardoni diz: – daquele recurso não implicava, de forma direta, na soltura do réu quando de sua interposição ou mesmo na extinção de sua punibilidade, posto que, caso viesse a ser deferido, tão somente submeteria o réu a novo julgamento pelo Tribunal de Júri.
    Ele abre brecha quando diz de forma direta o recurso não implicaria na soltura do reu nem na extição de punibilidade.
    Implica dizer que de forma indireta sim ( o recurso implicaria pois em novo juri os reus poderiam pleitear sua inocencia ainda que remota a posibilidade).
    LEMBRA CASO DA IRMÃ DORATY:
    O fazendeiro (Bida)foi absolvido em segundo julgamento.
    É fato que o fazendeiro (Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida) foi condenado no seu 3º julgamento porém o protesto por novo júri mostra sua natureza jurídica penal, (diretamente) ampliando-o o prazo para ius puniendi poder de punir do estado, sendo que o crime aconteceu em 2005 estamos em 2010 não tendo uma resposta final do mesmo. (aumenta o prazo prescricional, o prazo para aplicação do ius puniendi). E causando uma possibilidade ainda que remota e indiretamente de novo júri. O réu pode ser absolvido, como o foi, só vindo a ser condenado em um 3º terceiro julgamento.
    Neste sentido, valemos da lição de Espínola Filho:
    Normas penais:
    As normas penais são aquelas que afetam, ainda que indiretamente, o ius puniendi (direito de punir) estatal, criando-o (norma penal incriminadora), ampliando-o (aumenta o prazo prescricional, o prazo para aplicação do ius puniendi) ou extinguindo-o (causa extintiva da punibilidade, abolitio criminis etc.).
    E O GRANDE X DA QÜESTÃO: SE O ART 607 DO CPP, É UNICAMENTE PROCESSUAL OU ADENTRA NO DIREITO MATERIAL DO REU POSTO, QUE AMPLIA DIRETAMENTE NO PRAZO PARA O ESTADO PUNIR POIS ATÉ ESSE MOMENTO DO PROCESSO O REU AINDA TEM A PRESUNÇÃO DE INOCENCIA. E INDIRTETAMENTE NA POSIBILIDADE AINDA QUE REMOTA DO REU SER ABSOLVIDO EM OUTRO JULGAMENTO.
    Partindo da premissia que devemos seguir a lei ao pé da letra.
    Tirando esse direito do réu faz letra morta o artigo 5º inciso LV : aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes e artigo 5º, inciso LVII: “Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.. Todos da nossa lei maior a Carta magna de 1988, A Constituição Federal.
    Friso :
    Deixando uma clareza quase que solar na resposta da questão. Que chega a doer a vista.
    Gostaria de se alguem puder mim ajudar, pois sou apenas um alto didata e mim interresei sobre o assunto. Era esperado o juiz primeira instancia negar e até mesmo o TJSP.
    Porém vejo muita coerencia do direito ao recurso ser garantido no STJ ou STF.
    Desde já agradeçido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 11.689 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: